fbpx

Notícias

ANÁLISE FINAL DO ESTUDO SOLO2 DEMONSTRA GANHO DE SOBREVIDA GLOBAL COM OLAPARIBE DE MANUTENÇÃO EM PACIENTES COM CÂNCER DE OVÁRIO

9 de junho de 2020

Este é o primeiro estudo com olaparibe em comprimidos a fornecer acompanhamento de longo prazo e dados finais de sobrevida global em câncer de ovário recidivado sensível à platina.

Dr. Murilo Neiva, oncologista clínico, staff da Oncológica do Brasil comentou o SOLO/ENGOT-ov21, estudo fase 3 que avaliou o uso de olaparibe de manutenção em pacientes com câncer de ovário recidivado sensível à platina e mutação BRCA.

Pacientes com câncer de ovário recidivado sensível à platina e mutação em BRCA (BRCAm), que foram expostas a mais de duas linhas de tratamento e responderam à quimioterapia à base de platina mais recentemente, receberam olaparibe de manutenção (comprimidos de 300 mg 2x/dia) versus placebo.

As pacientes foram estratificadas por resposta à quimioterapia anterior (completa versus parcial) e duração do intervalo livre de platina (> 6 a 12 meses versus > 12 meses). A SG foi um desfecho secundário.

Na data final de análise dos dados (3 de fevereiro de 2020), o acompanhamento médio foi de 65 meses nos dois grupos de tratamento. Um benefício do tratamento a longo prazo foi observado com olaparibe versus placebo com um hazard ratio para SG de 0,74 (IC 95%: 0,54-1,00) no conjunto completo das análises (não ajustado para crossover; 38,4% dos pacientes tratados com placebo realizaram crossover para o grupo inibidor de PARP).

Com seguimento mediano de 5 anos, pelas estimativas das curvas de Kaplan-Meier, 28,3% das pacientes no braço olaparibe versus 12,8% no braço placebo estavam vivas e ainda não tinham recebido tratamento subsequente; 42,1% das pacientes com olaparibe versus 33,2% com placebo estão vivas. O perfil de tolerabilidade a longo prazo do olaparibe foi geralmente consistente com o relatado anteriormente, salvo a ocorrência de síndrome mielodisplásica e LMA que foi o dobro no braço terapêutico comparado ao placebo (8% versus 4%).

Na análise final do SOLO2, o olaparibe de manutenção proporcionou uma melhoria sem precedentes de 12,9 meses na SG mediana versus placebo. Este é o primeiro estudo com inibidores de PARP a demonstrar ganho de sobrevida global para pacientes com carcinoma epitelial de ovário.

Curta nossa página no Facebook! Voltar