Oncológica do Brasil
Home Notícias Análise final do estudo solo2 demonstra ganho de sobrevida global com olaparibe de manutenção em pacientes com câncer de ovário
ASCO 2020

Análise final do estudo solo2 demonstra ganho de sobrevida global com olaparibe de manutenção em pacientes com câncer de ovário

Por Comunicação - em 09/06/2020 235 Visualizações
IMG

Este é o primeiro estudo com olaparibe em comprimidos a fornecer acompanhamento de longo prazo e dados finais de sobrevida global em câncer de ovário recidivado sensível à platina.

Dr. Murilo Neiva, oncologista clínico, staff da Oncológica do Brasil comentou o SOLO/ENGOT-ov21, estudo fase 3 que avaliou o uso de olaparibe de manutenção em pacientes com câncer de ovário recidivado sensível à platina e mutação BRCA.

Pacientes com câncer de ovário recidivado sensível à platina e mutação em BRCA (BRCAm), que foram expostas a mais de duas linhas de tratamento e responderam à quimioterapia à base de platina mais recentemente, receberam olaparibe de manutenção (comprimidos de 300 mg 2x/dia) versus placebo.

As pacientes foram estratificadas por resposta à quimioterapia anterior (completa versus parcial) e duração do intervalo livre de platina (> 6 a 12 meses versus > 12 meses). A SG foi um desfecho secundário.

Na data final de análise dos dados (3 de fevereiro de 2020), o acompanhamento médio foi de 65 meses nos dois grupos de tratamento. Um benefício do tratamento a longo prazo foi observado com olaparibe versus placebo com um hazard ratio para SG de 0,74 (IC 95%: 0,54-1,00) no conjunto completo das análises (não ajustado para crossover; 38,4% dos pacientes tratados com placebo realizaram crossover para o grupo inibidor de PARP).

Com seguimento mediano de 5 anos, pelas estimativas das curvas de Kaplan-Meier, 28,3% das pacientes no braço olaparibe versus 12,8% no braço placebo estavam vivas e ainda não tinham recebido tratamento subsequente; 42,1% das pacientes com olaparibe versus 33,2% com placebo estão vivas. O perfil de tolerabilidade a longo prazo do olaparibe foi geralmente consistente com o relatado anteriormente, salvo a ocorrência de síndrome mielodisplásica e LMA que foi o dobro no braço terapêutico comparado ao placebo (8% versus 4%).

Na análise final do SOLO2, o olaparibe de manutenção proporcionou uma melhoria sem precedentes de 12,9 meses na SG mediana versus placebo. Este é o primeiro estudo com inibidores de PARP a demonstrar ganho de sobrevida global para pacientes com carcinoma epitelial de ovário.

Compartilhar:

Comentários