Oncológica do Brasil
Home Notícias CANDOR: dados atualizados demonstram que carfilzomibe, dexametosa e daratumabe mantêm superioridade em sobrevida livre de progressão versus carfilzomibe e dexametasona
Tratamentos e Inovações

CANDOR: dados atualizados demonstram que carfilzomibe, dexametosa e daratumabe mantêm superioridade em sobrevida livre de progressão versus carfilzomibe e dexametasona

Por Comunicação - em 28/12/2020 76 Visualizações
IMG

Foram divulgados no 62º Congresso Anual da ASH os dados atualizados de eficácia e segurança do estudo de fase 3, randomizado, aberto, multicêntrico CANDOR (NCT03158688). No ensaio, pacientes adultos com mieloma múltiplo recorrente ou refratário (MM R/R) receberam ciclos de 28 dias de carfilzomibe, dexametasona e daratumumabe (KdD) versucarfilzomibe e dexametasona (Kd) (proporção 2:1). Na análise primária, a sobrevida livre de progressão (SLP) foi o desfecho primário e a sobrevida global (SG), o secundário. 

Na análise interina relatada anteriormente, um benefício significativo de sobrevida livre de progressão (SLP) foi demonstrado em pacientes tratados com KdD vs pacientes tratados com Kd (HR, p 2-sided = 0,0027). Entretanto, após um acompanhamento médio de 16,9 meses, a SLP mediana não foi alcançada no braço KdD. 

Nesta análise de sobrevida global (SG) provisória pré-especificada, o teste estatístico foi baseado no número real de eventos de SG observados pelo corte de dados (aproximadamente 36 meses após a inscrição do primeiro paciente). SLP foi resumida descritivamente. A progressão da doença foi determinada localmente pelos investigadores de forma não cega e centralmente pelo patrocinador usando um algoritmo de computador validado de forma cega. SLP e SG foram comparadas entre os braços KdD e Kd através de um teste de log-rank estratificado. Os hazard ratios (HRs) foram estimados por um modelo estratificado de riscos proporcionais de Cox. 

Os pacientes foram randomizados para KdD (n = 312) e Kd (n = 154). A idade média foi de aproximadamente 64 anos. Além disso, 42% receberam lenalidomida previamente, 33% eram refratários a ela, 90% receberam bortezomibe anteriormente e 29% eram refratários a ele. 

Na data de corte de dados em 15 de junho de 2020, 199 (63,8%) pacientes no braço KdD e 88 (57,1%) no Kd permaneceram no estudo. Entre os pacientes tratados com KdD e Kd, 140 (44,9%) e 85 (55,2%) tiveram eventos de SLP, respectivamente. O acompanhamento médio foi de 27,8 meses (KdD) e 27,0 meses (Kd). 

A mediana de SLP pelo algoritmo computacional foi de 28,6 meses para o braço KdD versus 15,2 para o Kd (HR, 0,59). Os dados de sobrevida global não estavam maduros e serão atualizados em uma análise pré-especificada futura. A duração média do tratamento foi de 79,3 semanas com KdD versus 40,3 com Kd. 

Eventos adversos (EAs) de grau ≥3 ocorreram em 87,0% e 75,8% dos pacientes nos braços KdD e Kd, respectivamente, e EAs fatais ocorreram em 8,8% e 4,6%. Um EA fatal no braço KdD (devido a arritmia) e um EA fatal no braço Kd (devido a pneumonia COVID-19) ocorreram desde a análise primária. As taxas de descontinuação do tratamento com carfilzomibe devido a EAs foram de 26,0% com KdD e 22,2% com Kd. As taxas de EA ajustadas à exposição por 100 pacientes-ano foram: 171,2 e 151,9 para EAs de grau ≥3 e 6,9 ​​e 5,6 para EAs fatais nos braços KdD e Kd, respectivamente.  

Com aproximadamente 11 meses de acompanhamento adicional, os autores concluem que uma melhora de 13,4 meses na mediana de SLP foi observada em pacientes tratados com KdD (28,6 meses) versus com Kd (15,2 meses; HR, 0,59). A segurança foi consistente com os resultados relatados anteriormente. KdD continua a mostrar um perfil de risco-benefício favorável e representa uma opção de tratamento eficaz para pacientes com MM R/R. 

 

Referências:  

Carfilzomib, Dexamethasone, and Daratumumab Versus Carfilzomib and Dexamethasone in Relapsed or Refractory Multiple Myeloma: Updated Efficacy and Safety Results of the Phase 3 CANDOR Study, Abstract #2325, ASH 2020.  

Evaluation of Minimal Residual Disease (MRD) Negativity in Patients with Relapsed or RefractoryMultiple Myeloma Treated in the CANDOR Study, Abstract #2282, ASH 2020.  

Meletios A Dimopoulos, Hang Quach, María-Victoria Mateos, Ola Landgren, Xavier Leleu, David S. Siegel, Katja Weisel, Maria Gavriatopoulou, Albert Oriol, Neil K Rabin, Ajay Nooka, Ming Qi, Bifeng Ding, Anita Zahlten-Kumeli, Saad Z. Usmani; Carfilzomib, Dexamethasone, and Daratumumab Versus Carfilzomib and Dexamethasone in Relapsed or Refractory Multiple Myeloma: Updated Efficacy and Safety Results of the Phase 3 Candor Study. Blood 2020; 136 (Supplement 1): 26–27. doi: https://doi.org/10.1182/blood-2020-137602.  

Compartilhar:

Comentários